Conserv

Clima quente favorece a reprodução de cupins

O verão é a temporada das revoadas de cupins. Com dias muito quentes e úmidos, a estação favorece o desenvolvimento dos insetos. É nesse período que surgem aquelas nuvens dos chamados siriris ou aleluias — cupins com asas, reprodutores — em torno de pontos luminosos.

Aparentemente inofensivos, esses bichinhos invadem a casa com facilidade e, em pouco tempo, destroem móveis, quadros, livros e tudo que lhes servir de alimento.

Gerente de vendas da Insetfone, Sérgio Mendes cita os três tipos de cupins mais comuns no Rio: os arbóreos (que só atacam árvores), os de madeira seca e os subterrâneos, conhecidos como "de parede", maiores vilões.

— Não há muita prevenção para os de parede, mais difíceis de serem detectados. Já os de madeira se denunciam facilmente ao deixarem aquele famoso pozinho, que são as fezes deles.

Para prevenir danos causados pelos cupins subterrâneos, a dica é manter os móveis afastados das paredes, não acumular papel, checar sempre fundos de armários e áreas com maior umidade.

No caso dos cupins de madeira, deve-se evitar que siriris entrem em casa, apagando as luzes, colocando uma bacia com água embaixo das lâmpadas ou usando telas para proteger as janelas.

— Depois que eles invadem a casa, não há alternativa, a não ser recorrer a um tratamento especializado — explica Mendes.

Alimento

Além da madeira, que outros materiais costumam ser atacados por cupins?

De forma geral, os cupins gostam de tudo que é rico em celulose: estruturas de casas de madeira, restos de obras, móveis, quadros, livros, etc. No caso da madeira, eles comem, em uma progressão, das mais macias às mais duras. Papel e papelão são filé mignon para esses insetos. Diferentemente do que se acredita, eles não comem concreto, mas utilizam restos de obras para fazer ninhos.

Produtos

Há algum produto disponível no mercado e de fácil aplicação que elimine os cupins definitivamente?

Após uma infestação, só resta ao consumidor recorrer a um tratamento especializado. Todo o resto é paliativo. Vernizes e revestimentos especiais, querosene, creolina e outros produtos comumente aplicados em móveis de madeira só resolvem o problema na hora. Até água mata cupim. Mas, com o tempo, eles voltam.

Descupinização

Quanto custa, em média, o tratamento especializado, e com que frequência deve-se recorrer a ele?

A descupinização de um apartamento de dois quartos custa entre R$ 1.200 e R$ 1.400, com garantia de cinco anos para madeiras e de dois anos para paredes.

Fonte: www.extra.globo.com

mais em notícias

10 curiosidades sobre as baratas

Que elas são inconvenientes e asquerosas, isso todo mundo sabe, mas existem mais curiosidades sobre o mundo dessas pragas urbanas. Confira 10 fatos sobre as baratas que você provavelmente não sabia:

1 – Segundo especialistas, as baratas são tão antigas quanto os dinossauros. Registros afirmam que o fóssil mais antigo de barata é de 200 milhões de anos.

2 – Uma única barata é capaz de gerar mais de 800 novas baratinhas.

3 – Este pequeno inseto pode transmitir cerca de 32 doenças via bactérias, 17 por fungos e 2 por vírus. Entre as doenças mais comuns, estão cólera, peste, febre tifoide, herpes, poliomielite e conjuntivite.

4 – A antena da barata é seu grande diferencial: é por ela que a barata sente gostos, cheiros e toques.

5 – O poder de regeneração do corpo da barata é incrível: ela pode sobreviver por vários dias sem a cabeça e, se perder uma das patas, ela consegue se regenerar em poucos dias.

6 – Baratas conseguem correr tanto, mas tanto, que, se tivessem o tamanho de um ser humano, seriam capazes de atingir a velocidade de 320 km/h em poucos instantes.

7 – Os únicos lugares com probabilidade zero de encontrarmos baratas são nos Polos Norte e Sul, devido ao frio excessivo. Baratas gostam mesmo é de calor!

8 – As baratas vivem, em média, entre 5 e 6 meses.

9 – Poucos animais conseguem sobreviver tanto sem água quanto a barata, que vive por meses sem beber uma gota de água.

10 – Baratas não dormem durante o dia, elas apenas se recolhem. Dica: se você costuma encontrar baratas andando pela casa durante o dia, é sinal de que o local está infestado delas.

Fonte: http://www.megacurioso.com.br/

mais em notícias

10 aspectos para analisar antes de terceirizar

Para uma empresa, a decisão de contratar um fornecedor de serviços de terceirização envolve algumas questões de gestão interna, uma vez que interfere diretamente no modelo de trabalho implantado.

É preciso, antes de tudo, verificar o que é melhor para o negócio, se abrir um processo de recrutamento e seleção para contratar, formar a equipe, capacitá-la e administrar diretamente os profissionais ou buscar no mercado empresas especializadas em terceirização.

A terceirização, atualmente, envolve diversas atividades profissionais, o que exige uma análise bastante aprofundada dos prós e contras para que a empresa tome uma decisão. Assim, com o objetivo de manter um bom relacionamento com a empresa contratada para terceirização, a contratante deve exigir a apresentação dos documentos que comprovem a regularidade de sua situação:

1- Certidões Negativas de Débitos

A empresa de terceirização deve estar em dia com a Previdência Social, com o FTGS e com os órgãos fiscalizadores e tributários. A apresentação das certidões negativas de débitos deve estar dentro do prazo de validade.

2- Cartas de recomendações técnicas de outros clientes

Cartas de recomendações técnicas de outros clientes são documentos importantes para certificar a empresa de terceirização contratada, atestando sua qualificação para a atividade.

3- Qualificação dos empregados contratados

Diante da necessidade de manutenção da qualidade dos serviços, a empresa de terceirização deve comprovar a qualificação de seus contratados, dentro dos requisitos exigidos para cada função.

4- Qualificação dos representantes da empresa

Os representantes da empresa de terceirização, dentro de suas respectivas funções, devem apresentar documentação que comprove sua capacidade técnica, como a exemplo de engenheiros e supervisores das áreas objeto da terceirização.

5- Ficha de registro dos empregados terceirizados

Para evitar problemas com a legislação trabalhista e, principalmente, com a área de segurança do trabalho, todos os empregados contratados pela empresa de terceirização devem estar com seus registros em ordem e essa documentação deve ser apresentada à contratante sempre que um novo empregado for admitido para qualquer função terceirizada.

6- Recibos de pagamentos de salários

Mensalmente, a empresa de terceirização tem por obrigação comprovar o pagamento dos salários de seus empregados através de cópias dos recibos de pagamento ou de depósito bancário.

7- Cartões de ponto

Juntamente com a fatura mensal, a empresa de terceirização deve apresentar o registro de ponto de seus empregados, sendo este a comprovação da prestação de serviços para a cobrança da fatura.

8- Comprovante de fornecimento do vale transporte

Atendendo à legislação trabalhista, o fornecimento de vale transporte é obrigatório para todo empregado optante. Esta opção é feita pelo empregado no momento de sua contratação, devendo ser apresentada à empresa contratante, assim como o fornecimento mensal aos empregados optantes, juntamente com a folha de pagamento.

9- Comprovante de recolhimento de contribuições previdenciárias

O recolhimento de FGTS e de INSS, de obrigação da empresa de terceirização, deve ser comprovado mensalmente junto à contratante, uma vez que esta é solidária em questões trabalhistas e a falta de recolhimento poderá torna-la responsável pelo tributo.

10- Recibo de férias

Na oportunidade de concessão de férias, a empresa contratante deverá ser avisada da substituição do funcionário que estiver gozando do benefício, devendo a empresa de terceirização apresentar o comprovante de pagamento dentro do prazo previsto pela legislação.

Fonte: http://www.ohub.com.br/

mais em notícias

Evite problemas com infestações de cupins em casa

Quando comprou sua casa na região Noroeste de Belo Horizonte, a dona de casa Rosana da Silva não imaginava a dor de cabeça que teria. Mesmo depois de ter reformado todo o imóvel, ela não escapou do prejuízo causado por uma infestação de cupins. O problema custou à aposentada dois armários novos mais despesas com acompanhamento mensal de um especialista em controle de pragas. “Tivemos de refazer os móveis e rebocar e pintar a parede antes. Ficamos seis meses sem lugar para guardar as roupas”, contou.

O aborrecimento de Rosana é comum à maioria das pessoas. Especialmente nesta época do ano, de clima quente e chuvas rápidas, que colabora para o aparecimento dos indesejáveis insetos. Bichinhos aparentemente inofensivos, os cupins têm uma força devastadora. Conhecidos popularmente por aleluia, eles invadem as residências e se transformam num enxame em torno das lâmpadas. Quando perdem as asas, escondem-se nos móveis e, em poucos meses, destroem mobiliário, pisos e portas de madeira.

Há quem diga que o aparecimento do bicho anuncia a chegada da chuva, mas o que ele busca, na realidade, é formar uma colônia. “Isso ocorre porque os insetos com asas são cupins machos e fêmeas férteis que voam com o único objetivo de encontrar um par para acasalamento, e buscam nas residências um local para formar o ninho”, explica a bióloga Daniela Fernanda dos Santos.

O cupim pode sobreviver até 30 anos e reproduzir de 30 mil a 80 mil ovos por dia. As espécies mais comuns no meio urbano, de acordo com a bióloga, são o cupim subterrâneo (Coptotermes gestroi), o de madeira seca (Cryptotermes brevis) e o arbóreo (Nasutitermes).

Dos três, o subterrâneo é o mais devastador. Ele tem potencial para causar prejuízos maiores ao patrimônio, como desabamento de tetos com forros de madeira, danificação de livros e de obras de artes em pintura, árvores e ainda pode causar incêndios. A espécie infesta também os pontos de fios de luz e dutos elétricos.

Uma medida preventiva contra esses insetos é o uso de telas em portas e janelas. Mantê-las fechadas durante o período de infestação também é um paliativo. A revoada de cupim dá-se no início da noite, quando as luzes das casas começam a ser acesas. É que os bichinhos são atraídos pelas luzes ultravioletas – onda de luz emitida pelas lâmpadas – e invadem os lares em bando.

Controle

Quando já há uma infestação, no entanto, um especialista deve ser acionado. De acordo com Daniela dos Santos, toda a estratégia de controle dos cupins e combate da praga parte, inicialmente, da identificação da espécie ocorrente. “Nesses casos, são indicados tratamentos químicos convencionais ou com sistemas de iscas. Quando o problema for em um apartamento, é bom avisar a vizinhança para que fique alerta. Infelizmente, cupins não estragam apenas móveis e portas, eles podem destruir bem mais que isso.”

Apagar as luzes e deixar apenas um ponto iluminado também pode ajudar na remoção e na identificação da espécie por um especialista, segundo a bióloga. Ela sugere, ainda, estar atento à origem da revoada. “Estar atento aonde vem uma revoada pode ajudar a identificar o local da origem dos insetos. Quando ocorre no interior do ambiente, é preciso ficar em alerta aos indícios de proliferação.”

A bióloga afirma que existe no mercado, há seis anos, um sistema americano de iscas, capaz de aniquilar a praga e prevenir futuras proliferações. “É aplicado um inibidor do crescimento do cupim. Ou seja, ele age no ciclo biológico, inibindo a formação da pele e impedindo o seu crescimento”, explica.

O sistema, no entanto, não é barato. Para uma casa de três ou quatro quartos, por exemplo, o tratamento custaria, em média, R$ 4 mil. No caso de o problema ter sido detectado em um apartamento, o sistema teria de ser aplicado em todo o prédio. Se for um de quatro andares, o orçamento ficaria em torno de R$ 20 mil. Por isso, a prevenção é tão importante. Para o bolso, especialmente.

Fonte: http://www.lugarcerto.com.br/

mais em notícias

Excesso de chuvas influência pragas urbanas

Constantes chuvas influenciam a evolução de pragas urbanas, como o mosquito transmissor da dengue, o Aedes aegypti, e os caramujos africanos. Por outro lado, a chuva espanta outros tipos de pragas, como o pernilongo Culex e os morcegos.

O excesso de chuvas gera a proliferação do Aedes aegypti porque o mosquito precisa de coleções de água limpa e parada para colocar os ovos.

O caramujo africano, por ser sensível ao sol, sai para se alimentar e para se reproduzir em época de chuvas. "Se o caramujo sair no sol, ele morre", explicou Lupércio Garrido, coordenador da divisão de zoonoses.

Por ser sensível ao sol, o caramujo africano costuma ficar sob a vegetação. A limpeza em terrenos é importante para evitar que a praga possa ter um abrigo.

O pernilongo Culex, conhecido mais pelo incômodo do que por um risco à saúde, costuma sumir em época de chuvas.

Como o inseto se reproduz em coleção de água empoçada e suja, a chuva costuma "limpar" esse tipo de ambiente, barrando a proliferação do inseto. "Nos córregos que recebem esgoto, quando chove o material sólido que retém água suja vai embora", explica. Garrido diz que a chuva não provoca a proliferação de animais, como ratos, morcegos e pombos.

A atração de ratos está relacionada ao depósito de resíduos alimentares de forma inadequada e à colocação de lixo em terrenos baldios. "O descarte de lixo em terreno baldio é um grande nó", comenta Garrido.

O fato de deixar ração do cão durante a noite pode ocasionar a atração de ratos. A indicação é que o dono retire essa oferta de alimentos. "Entulhos, como tábuas e telhas, servem de abrigo para ratos."

A chuva impede o vôo dos pombos. "Tem gente que compra milho todo mês para dar aos pombos, que gostam de prédios altos. O pombo pode trazer doenças e não tem importância na cadeia alimentar", informa.

O excesso de água também impede a ação dos morcegos. "Dependendo da quantidade de chuvas, o morcego não sai para comer insetos ou frutas", diz.

Fonte: http://www.diariodemarilia.com.br/

mais em notícias

Como o auxiliar administrativo pode subir dentro da empresa

O auxiliar administrativo é um profissional de importância em qualquer empresa, sendo fundamental para o bom funcionamento de diversos departamentos. É uma profissão de apoio e assistência, atuando em várias áreas de uma organização empresarial, e esse apoio ajuda a garantir que as obrigações administrativas da empresa sejam cumpridas.

Também chamado de auxiliar de escritório, assistente administrativo, escriturário, é uma profissão muito antiga, porque existem registros desses profissionais em civilizações egípcias e mesopotâmicas, nos séculos IV e V; eram chamados de escribas, sendo homens de confiança do rei ou imperador e dominavam toda a escrita do reino.

Com esse relato é possível perceber que se uma profissão perdura por tanto tempo é porque ela é essencial.

O que faz o auxiliar administrativo?

Esse profissional realizará atividades de rotina, de controle de gestão financeira, logística, organização, entrada e saída de correspondência assim como  documentos. Organiza planilhas, atende telefonemas, assim como mantém os contatos da empresa atualizados, redigi cartas, gerencia informações, cuida de contas a pagar, recepciona clientes,  entre outras atividades. Apesar de possuir certa autonomia será sempre supervisionado.

Por ter uma atuação polivalente costuma ter uma vasta atuação em muitos segmentos do mercado, mas ao mesmo tempo, como desenvolve várias  atividades, existe uma falta de especificação profissional que por vezes pode ser vista como um problema. Na verdade, não ter especificação e fazer um pouco de tudo é o pulo do gato para a visibilidade profissional e para que essa visibilidade se concretize depende do perfil de quem assume essa função.

Importante ressaltar a relação que o auxiliar administrativo realiza com os diversos departamentos da empresa, fazendo uma ponte entre os setores, auxiliando em atividades que muitas vezes pode ser vista como simples, mas que sem elas o andamento da empresa ficaria comprometido.

Além disso, o auxiliar administrativo relaciona-se com supervisores, gerentes, público, fornecedores e clientes, sendo uma pessoa pró-ativa, interessada, atenta, que goste de se aperfeiçoar, estudar irá  diversificar sua qualificação profissional.

Como subir na carreira?

É muito importante que o profissional administrativo tenha senso de oportunidade e vá à luta. Cursos online, por exemplo, são uma das melhores opções para iniciar o gerenciamento de sua carreira.

Atualmente novas tarefas administrativas são executadas dentro de uma empresa e quase todas podem ter uma assistência do auxiliar administrativo, então esse profissional poderá se aperfeiçoar estudando e conseguindo uma promoção.

Antes de seu primeiro trabalho como auxiliar administrativo é necessário ter sido estudante, pois ensino médio é pré-requisito. Conhecimento de informática é fundamental para assumir processadores de texto e elaborar planilhas, assim como uma boa comunicação escrita e oral.

Existem ainda cursos técnicos que preparam candidatos para essas vagas, inclusive com certificado de técnicos administrativo. Muitos podem ser encontrados online, fornecendo conhecimento aos candidatos nas rotinas administrativas, aprimorando e desenvolvendo habilidades básicas, promovendo uma visão mais ampla do mundo corporativo. Qualificação é necessária para diferenciar um profissional no mercado e estudar é sempre o melhor caminho.

No caso do indivíduo gostar da área administrativa, porque não pensar em cursar administração de empresa? Trabalhar durante a faculdade como auxiliar administrativo pode ser um grande diferencial, aplicando, na prática, conceitos teóricos aprendidos e com supervisão de um profissional experiente na área.

Outras habilidades 

Ter inglês é um diferencial valorizado e o espanhol também é bem vindo.

O mercado de trabalho abrange empresas públicas e privadas e alguns cargos diferenciados, como auxiliar administrativo bilíngue, auxiliar administrativo financeiro, auxiliar administrativo fiscal, auxiliar administrativo de pessoas, especificações dentro de uma mesma carreira, que pode levar a uma melhor remuneração.

Estudando, se interessando, fazendo uma faculdade na área que mais goste dentro de seu trabalho, o céu será o seu limite.

A versatilidade marca o trabalho do auxiliar administrativo e por isso ele pode galgar muitos degraus dentro da área administrativa de uma empresa, vislumbrar novos horizontes uma vez que o profissional do futuro é um especialista que busca uma conexão com outra área e o auxiliar administrativo já está acostumado com essa relação de ponte entre as áreas.

Ele pode ir se aproximando, dentro da empresa, de áreas afins àquela em que pretende atuar no futuro e quem se antecipa sai na frente.

Fonte: http://portal.avantebrasil.com.br/

mais em notícias

Como eliminar os carrapatos

Diferentemente das pulgas, os carrapatos adultos são mais fáceis de serem observados, pois não possuem a mobilidade que as pulgas têm. Dessa forma, para saber se o seu animal está ou não com carrapatos, basta procurá-lo pelo corpo todo do cachorro. Eles costumam ficar em locais mais protegidos, como nas orelhas, entre os dedos, na virilha e axila. Mas podem estar em qualquer lugar do corpo. As formas de larvas (conhecidas popularmente como micuins) são muito pequenas e estas sim, são bem difíceis de ver.

Dica: Procure pelos carrapatos nos locais onde eles mais gostam de ficar, como orelhas, entre os dedos, na virilha e axila dos cachorros.

Dependendo da quantidade de carrapatos que o seu animal esteja, ele pode estar se coçando muito ou pouco.

- Mas e agora que eu já sei que ele está com carrapatos, como vou acabar com eles? Basta eu arrancar um por um, certo?

Errado! Primeiro, porque não se deve ficar arrancando os carrapatos, pois se você fizer isso de forma errada, o aparelho bucal deles continuará preso na pele do cachorro. Isto pode levar a uma irritação local e até infecção da pele. Portanto, a melhor forma é utilizar os produtos que matam os carrapatos, fazendo com que eles se soltem naturalmente e morram.

- Ah tá... então basta eu fazer isso que o problema está resolvido?

Errado novamente! No ciclo do carrapato, assim que o ovo eclode no ambiente, a larva (primeiro estágio) precisa logo se alimentar e vai procurar um hospedeiro, que no caso, é o cachorro. Depois que essa larva cresce, ela sai do cachorro e volta para o ambiente para realizar a primeira muda, se transformando em ninfa. Em seguida, retorna novamente para o animal, onde se alimenta, e volta a fazer mais uma muda no ambiente. Após essa terceira vez é que temos o carrapato adulto. A fêmea do carrapato se solta do cachorro após 4 a 10 dias quando já está bem ingurgitada (cheia de ovos), para poder colocar seus ovos em locais como frestas de parede e piso, plantas e gramas. A fêmea pode colocar de 200 a 3.000 ovos e depois ela morre.

Dica: Temos que tratar o cachorro e principalmente o ambiente! Pois na maior parte do tempo os carrapatos estão no ambiente (seja na forma de ovos, larvas, ninfas e adultos) e não no cachorro.

No ciclo do carrapato, fica claro que ele passa pouco tempo no animal, pois são carrapatos conhecidos por possuírem três hospedeiros, onde cada estágio de desenvolvimento tem um hospedeiro (podendo ser três cachorros diferentes ou ser o mesmo cachorro).

- Mas eu moro em apartamento, preciso me preocupar com carrapatos também?

Sim! Primeiro, porque basta você dar uma volta no quarteirão com o seu cachorro, que se tiver um carrapato, o seu cachorro pode acabar pegando. Segundo, que mesmo que você nunca leve o seu cachorro à rua, pode ser que seu vizinho passeie com o cachorro dele, e assim traga o carrapato com ele. Terceiro, porque os carrapatos sobem muros, então se você morar no térreo ou no primeiro andar, eles podem chegar até o seu cachorro com facilidade.

Os carrapatos costumam ficar no ambiente em locais de grama, como em quintais, nos canis de alvenaria ou casinhas dos cachorros e dependendo da infestação, até mesmo dentro da sua casa. É importante saber onde é o foco da infestação, pois se o foco for externo, ou seja, fora da sua casa, tomar medidas preventivas normalmente já é o suficiente para conseguir acabar com os carrapatos.

Dica: É importante saber onde está o foco da infestação, pois se o foco estiver na casa do seu vizinho, por exemplo, e não propriamente na sua casa, você nunca vai estar com o seu ambiente 100% livre dos carrapatos.

PRIMEIRO PASSO: COMO ACABAR COM OS CARRAPATOS DO CACHORRO

Existem no mercado inúmeros produtos anticarrapatos: xampu e sabonetes; talcos; coleiras; pipetas (spot-on); spray e comprimidos. Vamos falar de cada um abaixo, suas vantagens e desvantagens.

Xampu e sabonetes: É uma opção para quem não tem condições de arcar com os custos de medicamentos como pipetas e sprays.

- Vantagens:

·  Não vejo nenhuma.

- Desvantagens:

·  Matam os carrapatos apenas enquanto estão em contato com o produto durante o banho. Após o banho o animal está livre dos carrapatos até ser colocado no ambiente contaminado novamente.

·  Não tem efeito residual.

·  Além disso, se o banho com estes produtos não for feito com cuidado, o animal pode acabar ingerindo o produto e ter complicações. Portanto, muito cuidado se for dar banho no seu cachorro com produtos assim.

Talcos anticarrapatos:

Vantagens:

·      Indiretamente cai no ambiente ajudando a reduzir a carga parasitária deste;

·      Mais utilizado para o controle do ambiente do que propriamente para o controle no animal.

·      Fácil aplicação

Desvantagens:

·      Pouco poder residual e sem um período certo de prevenção.

Coleiras anticarrapatos:

Vantagens

·      Muitas delas tem efeito prolongado, de 3 até 7 meses.

Desvantagens

·      Poucas são realmente eficazes.

·      Algumas delas, se forem molhadas diminuem o tempo de ação.

·      Deve-se evitar ficar tocando nelas, pois o remédio vai sendo liberado aos poucos nesse período e pode causar alguma irritação tanto na pele do cachorro quanto na sua pele e se entrar em contato com sua boca ou olhos. 

Pipetas: Existem algumas no mercado com princípio ativo diferente, logo, podem variar de eficácia, mas no geral funcionam bem. O mecanismo de aplicação é diretamente na pele e para isso, deve-se afastar os pelos para que a aplicação seja feita de forma correta. O local mais indicado é na nuca, pois o cachorro não terá como lamber depois da aplicação. Às vezes é necessário aplicar em mais de um local, dependendo do porte do animal e do mecanismo de ação do medicamento.

Vantagens:

·      Normalmente são utilizadas como prevenção, mas também atuam no combate à infestação.

·      São de fácil aplicação.

·      Protegem normalmente por 30 dias (dependendo da infestação).

·      É seguro e o animal não precisa ser picado para que o carrapato morra, basta ele entrar em contato com o pelo ou a pele do animal.

·      Algumas protegem também contra pulgas, mosquitos e vermes intestinais.

Desvantagens:

·      Filhotes com menos de 60 dias ou menos que 1 kg de peso não devem receber este tipo de medicamento com risco de intoxicação!

·      Após a aplicação do produto, alguns fabricantes indicam não dar banho no animal nos 2 próximos dias.

Observação: Deve-se respeitar o tipo de pipeta para cada peso do cachorro. Por exemplo: tem pipetas para animais de até 10kg, de 11 a 20kg, de 21 a 40kg e outras variações. 

Spray: Muita atenção ao comprar estes produtos, pois há sprays anticarrapatos para serem usados diretamente no cachorro e outros que só devem ser usados no ambiente. Neste momento, falarei apenas dos que devem ser usados diretamente nos cachorros.

Vantagens:

·      São muito bons para controle de infestações no animal.

·      É seguro e o animal não precisa ser picado para que o carrapato morra, basta ele entrar em contato com o pelo ou a pele do animal.

·      Alguns fabricantes indicam o produto inclusive para filhotes a partir de 2 dias de vida e fêmeas prenhes e/ou lactantes.

·      Normalmente protegem por um período de 30 dias.

Desvantagens:

·      O produto deve ser aplicado em todo o corpo do animal, incluindo patas, barriga, rabo e cabeça (cuidado com os olhos e boca; melhor neste caso usar um algodão molhado com o produto).

·      Se não tomar estes cuidados, o animal ainda pode ser parasitado.

Comprimidos: Há na verdade apenas uma opção de comprimido contra carrapatos no mercado. O comprimido normalmente é mais utilizado para o controle da sarna, mas também tem um efeito contra os carrapatos.

Vantagens:

·      Por ser comprimido, os animais que já estejam com a pele bastante ferida e que poderia ter alguma irritação no local de aplicação, ficam livres dessa possibilidade.

·      Normalmente protegem por um período de 7 dias.

Desvantagens:

·      Não deve ser dado para cães com menos de 2 meses de idade.

·      Não deve ser usado em cadelas prenhas ou em lactação.

·      Alguns donos podem ter dificuldade para dar o comprimido, pois alguns cachorros não aceitam comer espontaneamente ou junto com outros alimentos.

·      Além do mais, o comprimido pode se despedaçar neste momento e o proprietário fica sem saber se a dose foi ingerida corretamente.

Observação: Este medicamento é contraindicado para filhotes de qualquer raça com menos de 6 semanas de vida. Não há estudos de segurança suficientes para o uso deste medicamento em cadelas prenhes ou em período de lactação, devendo ficar a critério do médico veterinário a utilização do medicamento nessas fases da vida das fêmeas. Deve-se respeitar o peso do cachorro de acordo com a dose indicada para ele. Procure orientação veterinária para o uso correto do medicamento. Há também a possibilidade de se fazer uma aplicação, conhecida popularmente como “vacina contra carrapato”, do mesmo medicamento. Da mesma forma, procure o médico veterinário e informe-se sobre isso.

Dica: Você pode fazer associações ao mesmo tempo para eliminar as pulgas do seu cachorro, por exemplo: Spray + Coleira; Pipeta + Comprimido; Spray + Comprimido. Nunca mais do que 2 associações ao mesmo tempo! Consulte o médico veterinário para fazer essa associação.

SEGUNDO PASSO: COMO CONTROLAR OS CARRAPATOS DO AMBIENTE.

Da mesma forma que existem os produtos para serem usados nos cachorros, também há no mercado inúmeros produtos anticarrapatos para o ambiente como: talcos; spray ou aerossóis, inseticidas e empresa dedetizadora. Vamos falar das vantagens e desvantagens de cada um abaixo.

Talco: Como falei anteriormente, o mesmo talco que você pode utilizar no seu cachorro, você também pode usar para o controle do ambiente. Para isso, basta colocar um pouco do talco dentro do saco do aspirador de pó e aspirar toda a casa, principalmente se for de tábua corrida ou tacos (ficam nas frestas). Este método é mais eficaz para o controle das pulgas no ambiente, porque os carrapatos tendem a colocar seus ovos mais em locais como muros e ambientes de alvenaria com cimento chapiscado. 

Vantagens:

·      Ajuda a reduzir a infestação no ambiente sem necessidade de tirar pessoas e o próprio animal de casa.

·      Tem um custo baixo em relação a outros produtos com a mesma finalidade, pois pode ser usado várias vezes.

Desvantagens:

·      Trabalhoso, pois dependendo do tamanho da casa o procedimento vai demorar.

·      É necessário fazer pelo menos 1 vez por semana, até que se tenha conseguido controlar a infestação.

·      Não tem a mesma eficácia do que no controle das pulgas.

Spray ou aerossóis: Lembrando que irei falar aqui dos sprays para serem usados apenas e somente no ambiente e nunca no animal. A melhor indicação para eles é justamente nos muros e paredes. É legal também para criar uma “barreira invisível” contra os carrapatos que possam estar vindo do vizinho.

Vantagens:

·      É de fácil aplicação se você quiser selecionar locais específicos, como muro, canil de alvenaria, casinha do cachorro, como forma de ajudar no combate a infestação.

·      Alguns fabricantes dizem que após a aplicação, o produto pode eliminar os carrapatos e seus ovos, por até 6 meses.

·      O produto normalmente seca rapidamente e após 30 minutos, deve-se deixar ventilar bem o ambiente antes de colocar novamente os animais.

Desvantagens:

·      Deve-se retirar todos os animais do ambiente (incluindo cachorros, gatos, pássaros e os aquários devem ser isolados com tampa ou cobertos com plástico).

·      A pessoa que estiver aplicando deverá usar luvas, máscara e óculos para proteção.

·      Tecidos delicados, plásticos, resinas, vernizes e ceras podem interagir com o produto, provocando manchas na superfície tratada.

·      Se a área for muito ampla, o custo será mais alto, pois deve-se pulverizar por cerca de 10 segundos para cada m² de área, além de ser trabalhoso.

Observação: Venda sob prescrição e aplicação sob orientação do médico veterinário. Leia a bula, pois trata-se de um medicamento tóxico.

Dica: Utilizar os sprays para ambiente apenas para lugares mais específicos, como o muro, canil de alvenaria ou casinha que o cachorro fique. Utilizar outra forma de combate para o restante do ambiente.

Inseticidas: Normalmente a base de Deltametrina, são de uso exclusivamente para ambientes ou para animais de grande porte, como bovinos e equinos, mas jamais devem ser utilizados diretamente em animais de companhia. São aplicados com borrifadores ou panos úmidos com a diluição. Deve-se deixar o ambiente bastante ventilado durante a aplicação e sua secagem natural.

Vantagens:

·      Tem efeito residual no ambiente por cerca de 14 dias, portanto, caso a infestação continue após a primeira aplicação, deve-se repetir a cada duas semanas.

·      Serve para outros tipos de insetos, como pulgas, traças e baratas.

Desvantagens:

·      Deve-se retirar todos os animais do ambiente (incluindo cachorros, gatos, pássaros e os aquários devem ser isolados com tampa ou cobertos com plástico).

·      A pessoa que estiver aplicando deverá usar luvas, máscara e óculos para proteção.

·      Só retornar com os animais e crianças após ter saído todo o cheiro e o piso estiver secado naturalmente.

Observação: Venda sob prescrição e aplicação sob orientação do médico veterinário. Leia a bula, pois trata-se de um inseticida tóxico.

Dica: Utilize os inseticidas de preferência num final de semana. Aplique-o pela manhã em todo o piso e muros. Passe o dia fora com a família e é claro, seu cachorro, deixando as janelas abertas. Ao retornar na parte da tarde o cheiro já saiu e estará seco.

Empresa dedetizadora: Existem várias pelo Brasil, cabe a você se informar qual delas faz o serviço e seu custo.

Vantagens:

·      Você, nem ninguém da sua família se expõem ao risco de lidar com substâncias tóxicas. O trabalho todo fica por conta da dedetizadora.

·      Costuma ter bons resultados e algumas dão garantia por meses.

Desvantagens:

·      Nenhuma.

Dica: Se você pode gastar dinheiro com uma empresa dedetizadora, é a melhor opção para acabar com uma infestação no ambiente.

Informações Relevantes e Importantes:

O carrapato que mais acomete os cachorros é da espécie Rhipicephalus sanguineus, conhecido como carrapato marrom (ou vermelho) do cão. É responsável pela transmissão de Babesia canis e Erhlichia canis. Este carrapato pode também transmitir muitas infecções por protozoários, vírus e riquétsias aos animais e ao homem.

Fonte: Dicas Boas para Cachorro

mais em notícias

Evite que o Aedes aegypti se desenvolva em sua piscina

Muitas vezes, a ameaça da dengue pode estar nos fundos da casa ou na cobertura do prédio, em um espaço associado ao lazer: a piscina. A água límpida e na temperatura ambiente pode se tornar criadouro de larvas do Aedes aegypti se não houver certos cuidados por parte do proprietário.

– Por questão de clima, no Rio Grande do Sul se utiliza a piscina por poucos meses no ano, e muitas vezes os proprietários a deixam abandonada durante o inverno – avalia Luiz Felippe Kunz Junior, médico-veterinário da Coordenadoria Geral da Vigilância em Saúde da Prefeitura de Porto Alegre.

A confirmação de 206 novos casos de dengue no Rio Grande do Sul nesta semana reforça o alerta para que a população combata os focos do mosquito. A forma mais prática de evitar o surgimento do Aedes é manter o ano inteiro a rotina de adicionar cloro ou outro produto que elimine microorganismos: o mosquito não sobrevive à ação do químico. O uso do motor também é eficiente, pois os ovos são descolados das paredes pela ondulação e destruídos pelas pás.

– Outra alternativa é colocar uma tela que cubra totalmente a piscina, de forma a evitar que a fêmea do mosquito deposite seus ovos nas paredes – aponta Elson Pedro Resende da Silva, responsável pelas ações de combate à dengue da Coordenadoria Regional da Secretaria Estadual da Saúde na Região Noroeste.

Algumas piscinas são mais propensas ao desenvolvimento do mosquito, como as de plástico ou com diferentes níveis, que têm menos de um metro de profundidade nas partes mais rasas. Para se alimentar, a larva mergulha até o piso; quando a piscina é muito funda, não resiste à pressão e morre. Pelo mesmo motivo, piscinas abandonadas ou com água até a metade também preocupam.

- Podem surgir outros tipos de mosquitos nas piscinas mais fundas, mas não o Aedes aegypti - afirma Kunz.

Os agentes explicam que, ainda que sejam encontradas larvas do mosquito da dengue nas piscinas, o problema ocorre principalmente em criadouros menores, como latas espalhadas pelo pátio, bromélias, pratos de vasos e ralos pluviais.

Além da dengue, há mais um motivo para combater o mosquito. O Instituto Evandro Chagas confirmou ontem 16 casos de Zika Vírus no País - oito no Rio Grande Norte e oito na Bahia -, também transmitida pela picada do mosquito aedes aegypti.

Fonte: ZH Vida e Estilo

mais em notícias

Como evitar insetos e ratos em casa

Quem mora próximo a rios, córregos ou terrenos baldios normalmente sofre com a presença de insetos e ratos em casa. Além disso, em determinadas épocas do ano, o aparecimento desses bichos é inevitável. Por isso, é importante saber o que fazer e como reagir no caso de sua casa começar a receber essas visitas indesejáveis.

De acordo com a professora e mestre em biotecnologia pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), Sabrina Amorim de Albuquerque Amaral, restos de comida, poças de água e o calor favorecem a reprodução desses bichos. “Deixar o local sempre limpo e livre de restos de alimentos ajuda a evitá-los”, afirma.

O verão é a época do ano em que aumenta o aparecimento dessas espécies. Segundo Sabrina, isso ocorre porque a maior parte dos insetos se reproduz nesta estação por causa das chuvas ocasionais, que favorecem a umidade. A bióloga não aconselha o uso de receitas caseiras para fazer venenos. “Para se livrar das formigas é preciso descobrir o formigueiro e colocar água até enchê-lo. Com isso elas ficarão incomodadas e migrarão para outro lugar”, recomenda.

Além disso, existem grupos de venenos que funcionam melhor para algumas espécies. Para cupins, por exemplo, existe um veneno produzido em laboratório que é feito a partir de fungos. “Para abelhas aconselho procurar um apicultor, que ficará feliz em ganhar uma nova colmeia, pois acabar com uma colmeia é ilegal e o Ibama pode multar”, alerta Sabrina.

Em caso de infestação ela aconselha procurar ajuda de especialistas e não espalhar pela casa todos os tipos de venenos encontrados no supermercado, principalmente se na residência houver crianças e animais. “Isso é muito perigoso e pode causar sérios acidentes”, alerta.

Cuidados com crianças e animais domésticos – Casos de intoxicação e envenenamento são muito comuns em crianças e animais, por isso todo cuidado é pouco quando se resolve administrar venenos em casa.

Para a pediatra da Sociedade Brasileira de Pediatria Luci Pfeiffer, as crianças são muito curiosas, por isso o veneno jamais pode estar ao alcance delas e é preciso ter muita atenção para que elas não os encontrem por acaso. “Estar sempre ligado é a melhor solução. Por mais que os pais afirmem que o filho não tem acesso a determinados locais, todo cuidado é pouco”.

No caso dos animais a orientação é semelhante. “O que ideal é que o veneno seja colocado em um lugar onde o animal não tenha acesso mesmo que haja uma distração. “Todos os casos de envenenamento que atendi ocorreram porque o animal teve acesso ao local por descuido”, explica a veterinária, Kátia Bizaroli.

Katia orienta que, em caso de ingestão de veneno, o proprietário deve levar o animal imediatamente ao veterinário, pois o fator tempo é determinante para o sucesso do tratamento, e nunca se deve administrar nenhum tipo de receita caseira. “Cada tipo de veneno age de uma forma diferente e, por isso, existe um tipo diferente de antídoto para cada um deles. Por exemplo, se você induzir o vômito e o animal tiver ingerido um veneno cáustico (que queima), além da queimadura causada pela passagem do veneno na ingestão, quando ele vomitar o veneno queimará novamente e agravará o caso”, explica.

Outro tipo de intoxicação que pode ocorre com os animais é por meio dos aerossóis. “Esses produtos podem levar a sérias intoxicações se o animal for exposto por muito tempo ou for deixado num ambiente fechado e saturado pelo veneno”, lembra.

Em caso de impossibilidade de levar a criança ou o animal imediatamente ao hospital, deve-se ligar para o Ceatox (Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas), no telefone 0800-0148110, que funciona 24 horas por dia, e passar todas as informações sobre o veneno ingerido.

Fonte: Revista Zap

mais em notícias

Como cuidar da horta caseira no verão?

Em função das condições climáticas desfavoráveis para o cultivo da horta, especialmente no litoral, e também o afastamento das residências devido às férias, recomenda-se algumas dicas para proteger e refazer a fertilidade do solo nesse período.

1- Proteção do solo (cobertura morta e cobertura viva)

A cobertura do solo é muito importante. A perda de solo (erosão), que no Brasil alcança pelo menos 500 milhões de toneladas por ano, pode causar grandes prejuízos aos agricultores, que perdem rapidamente a capacidade produtiva e, o que é pior, vão parar nos rios, córregos e lagos, provocando cada vez mais enchentes e destruição, além de poluir as águas, causando a morte de peixes e outros animais.

Boa parte dessa erosão poderia ser evitada pela cobertura permanente do solo.

A cobertura morta consiste na colocação de capim ou palha seca e outros materiais (5 a 10 cm) disponíveis na propriedade, nas entrelinhas das hortaliças cultivadas em espaçamentos maiores.

A cobertura morta mantém a superfície do solo sem a formação de crosta (superfície endurecida), evita a evaporação da água da chuva ou da irrigação, reduz a erosão, especialmente em solos inclinados, diminui a temperatura do solo no verão em até 10 C, quando comparado ao solo sem cobertura e, principalmente, economiza capinas devido ao menor surgimento de plantas espontâneas.

A cobertura viva consiste em cobrir o solo com adubos verdes de verão, por exemplo, como a mucuna, além de proteger o solo, desfavorece o surgimento de plantas espontâneas no verão, suprimindo ou abafando as mesmas. O feijão de porco, outra importante leguminosa de verão, além de proteger e melhorar a fertilidade do solo, através da alelopatia, inibe o desenvolvimento da tiririca ou junça.

Após o período crítico, as plantas espontâneas nas entrelinhas dos cultivos são consideradas “plantas amigas”, pois ajudam na cobertura (viva) do solo, auxiliando na manutenção da umidade e evitando a erosão.

2- Proteção das plantas (sombrite)

Mesmo em condições climáticas desfavoráveis é possível o cultivo de algumas hortaliças folhosas e outras, utilizando-se o sombrite.

No clima brasileiro, predominantemente tropical e subtropical, em muitos lugares, com a temperatura chegando a mais de 40oC no verão é preciso diminuir o calor junto ao solo. As plantas também precisam da proteção de coberturas para evitar que a perda de água por evaporação seja muito grande. Além disso, com solo desnudo será necessária maior quantidade de água para atender as exigências das plantas cultivadas.

A cobertura com sombrite (tela que deixa passar 50 a 70% da luz) diminui a radiação solar nas horas mais quentes e os efeitos danosos das chuvas torrenciais sobre as plantas e solo.  O mais barato e prático é utilizar o sombrite sobre o canteiro, sustentado por arcos de bambu e amarrado, de forma que possa ser manejado, retirando-o totalmente ou parcialmente, quando necessário.

Em dias nublados, recomenda-se recolher parcialmente ou totalmente, para evitar que as plantas fiquem estioladas (definhem) por falta de luz. Já nos dias ensolarados e quentes, procura-se deixar o canteiro coberto, especialmente no período das 10 às 17 horas e, também, sempre que houver previsão de chuvas torrenciais.

Fonte: Lar Natural. Autor: Antônio Carlos Ferreira da Silva, engenheiro agrônomo.

mais em notícias

Dicas para controle de pragas no condomínio

O controle de pragas no condomínio deve ser um processo permanente. Qualquer descuido pode propiciar o desenvolvimento de insetos e roedores que, além de atrapalhar a vida no condomínio, ainda podem trazer doenças.

O ideal para o controle de pragas é que o condomínio contrate uma empresa de controle de pragas e que os serviços sejam feitos pelo menos semestralmente, caso não haja qualquer infestação no período.

O contrato com uma empresa é a melhor maneira para reduzir os custos. Quando o síndico encontra uma infestação de baratas, por exemplo, e busca os serviços de desinfestação, o valor cobrado é muito maior do que um contrato regular. Fazendo esse contrato, os custos podem ser reduzidos em percentuais que podem variar de 20 a 40%, a depender do tamanho do condomínio e do material utilizado para a limpeza.

Para o controle de pragas no condomínio, apresentamos aqui algumas dicas que irão ajudar o síndico a manter o local sempre livre das pragas urbanas:

Prevenção: baratas, formigas, cupins, ratos e mosquitos costumam se proliferar na primavera, época em que há mais disponibilidade de alimentos na natureza. Assim, o ideal para um controle preventivo é o começo da primavera, antes de haver acasalamento, e o início do verão, quando esses animais estão no auge de sua vida ativa. Bons inseticidas possuem uma duração de pelo menos seis meses, e sua aplicação no período correto evitará que possa haver aumento dessas pragas.

Vistoria das áreas comuns: pelo menos quinzenalmente o síndico deve proceder a uma vistoria nas áreas comuns do condomínio. É importante lembrar que essa é uma responsabilidade do síndico. Caso haja uma infestação proveniente dessas áreas, ele poderá ser responsabilizado por isso. Havendo qualquer manifestação em formigueiros ou o surgimento de formigas ou qualquer outro tipo de inseto, deve-se fazer o processo de controle, aplicando inseticidas e mantendo a limpeza do local.

Dengue: o mais sério problema das áreas urbanas na atualidade é o mosquito da dengue. O trabalho de limpeza das áreas comuns deve ser uma das obrigações do zelador, evitando qualquer vasilhame com água parada, que possa abrigar larvas do aedes aegypti. Os condôminos também devem ser instruídos com relação a isso, evitando vasos com água ou qualquer tipo de vasilha que possa servir para o desenvolvimento de larvas.

Contratação: ao se fazer um contrato de manutenção, quando aprovado em assembleia, o síndico deve procurar uma empresa credenciada, que possua CNPJ e alvará da Vigilância Sanitária. O controle de pragas urbanas precisa ser feito de maneira legalizada, com as garantias que uma empresa idônea possa oferecer.

Pulverização: contratados os serviços, é importante que todos os condôminos sejam avisados sobre o trabalho de pulverização, evitando circular nas áreas trabalhadas. Os cuidados precisam ser tomados principalmente com crianças e animais, mais vulneráveis à intoxicação provocada pelos produtos.

Treinamento: como se trata de um condomínio, é importante que a empresa possa oferecer um serviço de treinamento, de maneira que a manutenção tenha efetividade maior. Os cuidados que devem ser tomados precisam ser do conhecimento de todos os condôminos, mantendo sempre a higiene dos locais comuns e contribuindo para o bem estar e saúde de todos.

mais em notícias

Prestadores de serviços para condomínio

Um condomínio precisa de muitos cuidados e nem sempre o síndico ou os moradores tem tempo e habilidades para resolver tudo. Atualmente o dia a dia das pessoas anda cada vez mais corrido e pode ser que em algum momento seja necessário contratar prestadores de serviços para tarefas diversas como cuidar do jardim, realizar a limpeza das áreas públicas, revitalização de algum ambiente ou para realizar consertos. Até mesmo um síndico pode ser contratado, caso haja necessidade. 

Antes de mais nada, é importante sempre discutir com os moradores a necessidade de contratação de serviços terceirizados, tanto para que eles saibam da importância desta contratação para a melhora da qualidade de vida dentro do condomínio, quanto para que eles fiquem cientes de que pode haver uma cobrança a mais devido a essa prestação de serviços.

Para evitar problemas posteriores, busque por prestadores de serviços com referências e independente disso, sempre verifique a idoneidade do contratado e exija e guarde todos os comprovantes. Além disso, antes de contratar qualquer serviço, procure saber sobre as suas normas e leis, principalmente as questões de seguranças e equipamentos necessários, pois caso ocorra qualquer problema, o condomínio poderá ser responsabilizado.

Apesar de na maioria das vezes o principal fator a ser levado em consideração ser o preço, sempre procure saber se você realmente está contratando um profissional sério e comprometido para evitar futuros problemas e despesas extra.

Fonte: Blog Condominio

mais em notícias

Conheça os procedimentos de segurança para a portaria

A maior parte das invasões a condomínios se dá pela portaria de pedestres, por falta de procedimentos corretos de segurança dos porteiros. Por isso, seu treinamento adequado é fundamental.

Ao atender visitantes, o portão somente pode ser aberto após:

- Avisar o morador e obter sua autorização;

Na dúvida, solicitar ao morador para vir identificar tal visitante, mantendo-o ainda do lado de fora.

No caso de entrega de encomendas e delivery:

- Avisar o condômino e solicitar sua presença na portaria;

Na ausência do condômino, receber e guardar para, posteriormente, ser retirado por um morador ou entregue por um funcionário;

- Jamais permitir que o entregador leve pessoalmente a encomenda.

Prestadores de serviços:

- Avisar o condômino e só abrir a porta mediante autorização do morador.

- Depois que entrar, pedir crachá com foto e anotar os dados de seus documentos

- Se for prestador de serviço para o condomínio, só abrir a porta depois de autorizado pelo zelador. 

Também deve-se pedir o crachá e anotar os dados.

Outros procedimentos:

Em caso de obras no condomínio, só permitir o acesso de funcionários listados pela empreiteira, portando crachá com foto. Em caso de dúvida, chamar o zelador.

Os porteiros e seus substitutos devem ser alertados quanto aos disfarces que os ladrões têm usado para invadir os condomínios.

Nos horários de limpeza e recolhimento de lixo, manter as entradas do edifício fechadas.

Na entrada ou saída de pessoas do condomínio, somente abrir o portão após verificar se não há suspeitos próximos.

Não devem aceitar a guarda de chaves das unidades e dos automóveis dos moradores.

Não comentar sobre a vida pessoal dos condôminos, como horários em que podem ser encontrados e outras informações.

É interessante que seja instalada uma linha telefônica na portaria, para que se possa acionar rapidamente a polícia ou os bombeiros em caso de emergência, sem depender do zelador - que pode não estar no condomínio na hora.

Neste caso, é conveniente pregar no telefone uma lista com o telefone da delegacia mais próxima, bem como do Corpo de Bombeiros e da conservadora do elevador.


Fonte: Sindiconet

mais em notícias

Como evitar caracóis na horta?

Antes, enterrávamos no quintal de casa todas as cascas de frutas utilizadas, mas começaram a surgir caramujos que grudavam nas folhas das hortaliças, como alface, almeirão, chicória e repolho, plantadas em nossa horta. Então, passamos a fazer o descarte dos restos orgânicos diretamente no balde de lixo, porém os caramujos continuam atacando nossos plantios. Como evitar essa praga?

Para eliminar caracóis é necessário fazer uma isca para atraí-los e, depois, eliminá-los mecanicamente. Molhe uma estopa, ou um pano, com cerveja e coloque-o próximo às plantas em que os caracóis costumam aparecer. O indicado é instalar a isca no fim da tarde, pois esses animais têm hábitos noturnos. Na manhã do outro dia, recolha os caracóis e deposite-os em um saco. Em seguida, com o cabo de uma enxada, ou com uma madeira, destrua os invasores e jogue os restos em uma lixeira. Ressalte-se nunca por os animais vivos no lixo, pois eles se proliferam nos aterros sanitários. Previna-se usando luvas ao fazer o procedimento, pois caso se trate de caramujos gigantes africanos, eles transmitem doenças.

Fonte: Revista Globo Rural

mais em notícias

Bromélias são imunes ao mosquito da dengue

As bromélias, plantas ornamentais resistentes e belas, têm a má fama de atrair o mosquito da dengue por reter água no meio de suas folhas. Muitas pessoas exterminavam-nas de seus jardins com medo da doença, que pode ser fatal. 

Porém, segundo especialistas, a informação está errada e elas estão livres de culpa. 

Existem 3,2 mil espécies de bromélias, com cerca de 43% nativas do Brasil. Algumas delas não acumulam água. Mas mesmo as que retém o líquido não são ambientes favoráveis para o Aedes aegypti, já que o que fica no tanque formado pelas folhas é um suco biológico que não é um ambiente favorável para a reprodução do inseto.

Então está liberado o cultivo das bromélias no seu jardim! 

Fonte: Revista Globo Rural

Imagem: Ricardo de Paula Ferreira / Shutterstock.com 

mais em notícias

Porteiro e as qualidades que deve ter

Função de suma importância para a segurança do edifício. É o responsável pelo monitoramento do controle de acesso de pessoas, mercadorias e veículos. Funcionário uniformizado, treinado e habilitado para exercer as funções de recepção com foco em segurança. Veja quais devem ser as qualidades de um bom porteiro:

- ATENÇÃO: qualquer descuido pode facilitar a invasão do condomínio

- RESPONSABILIDADE: a segurança dos moradores e demais funcionários dependem diretamente de sua atuação.

- PONTUALIDADE: o respeito ao colega de trabalho começa com o respeito aos horários

- ASSIDUIDADE

- AUTO CONTROLE: atuar com profissionalismo é não perder a calma e a razão

- AUTO CONFIANÇA: geralmente o trabalho do porteiro é solitário. Na maioria das vezes terá que tomar decisões sozinho. Mas nada impede que na dúvida, o porteiro peça orientação a seu superior hierárquico

- RELACIONAMENTO HUMANO: lidar com pessoas de diferentes níveis sociais e intelectuais, essa é a função diária do Porteiro. Portanto, ele terá que saber se relacionar com todas elas

» Portanto, o Porteiro deve:

- Falar pouco, somente o necessário

- Ouvir com atenção e não esquecer de sempre anotar todas as informações

- Desconfiar sempre de pessoas que falam muito, principalmente aquelas que fazem perguntas dirigidas as questões de segurança do condomínio ou referente à vida dos moradores

- Jamais comentar assuntos referentes a seu serviço e nunca passar informações internas do prédio em público, com pessoas estranhas ao ambiente de trabalho, familiares e amigos, namoradas (os) e porteiros de outros prédios

- Não permitir que pessoas estranhas ao condomínio tomem ciência das normas de procedimentos internos e dos equipamentos de segurança existentes.

Fonte: tudosobreseguranca.com.br

mais em notícias

Saiba evitar os prejuízos causados pelos cupins

Com a chegada das estações de calor, toda atenção deve ser redobrada para evitar o aparecimento de pragas urbanas, em especial a do cupim. É nessa temporada do ano que o problema costuma bater na porta das casas dos brasileiros. Ele aparece em forma de pequenos resíduos, manchas e grânulos de madeira, vistos em guarda-roupas embutidos, portas, telhados, dentre outros.

A infestação pode ser explicada pelo fato de que, em tempos de alta temperatura, pequenos insetos voadores, popularmente conhecidos como aleluias (siriris), entram nas residências em busca de locais úmidos como abrigo e de celulose como fonte de alimentação, conforme explica Sérgio Bocalini, biólogo e vice-presidente executivo da Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas (APRAG).

Segundo o biólogo, os tipos mais comuns de cupins são os de madeira seca, que se instalam em peças de madeira com baixa umidade, como móveis, portas, batentes e rodapé, e os subterrâneos, que preferem ambientes mais escuros e úmidos, como decks e outros locais. Ambos deixam sinais que podem ser identificados pelos moradores, como fezes granuladas – no caso dos de madeira seca – e rastros de terra e mancha – relacionados aos subterrâneos.

Por se tratar de uma praga silenciosa, o cupim pode oferecer riscos de desabamento e prejuízos financeiros, se o mal não for detectado com antecedência. “Quando o problema é percebido, grande parte do madeiramento já pode ter sido danificado”, afirma Priscila Damiani, bióloga e gerente comercial da unidade de negócios Praxxis Controle de Pragas, do Grupo Brasanitas.

Como combater – Priscila aponta a falta de cuidado do solo na construção civil e o desmatamento (que diminuiu a quantidade de celulose disponível) como alguns dos principais fatores que possibilitam a ação destes insetos, que se adaptaram às edificações das grandes cidades. Por isso, a forma mais prática de combater o cupim se dá pelo monitoramento de frestas, rachaduras e manchas. Em casos de suspeitas, a recomendação é não usar inseticida, e sim chamar um especialista identificar a melhor solução.

A limpeza das áreas afetadas com o uso de materiais comuns costuma ser a primeira atitude do morador para combater o cupim. Porém, de acordo com a bióloga, tal atitude apenas desloca a colônia para outra área.

Assim como Priscila, Sérgio Bocalini recomenda que o combate da praga seja feito com o apoio de uma empresa especializada, que pode ser indicada pela própria APRAG. Não existem estudos que apontem riscos de saúde à população gerados pelo cupim (inseto) em si, mas o uso incorreto de inseticidas e outros produtos podem causar mal estar ao morador. Portanto, a ajuda técnica é sempre a melhor saída.

Fonte: 180graus.com/

mais em notícias

Falta de higiene favorece as pragas nas cidades

Pra começar esta matéria acertando “na mosca”, sem trocadilho, a definição mais objetiva é: praga urbana por inseto é sinônimo de falta de higiene humana. Ao pé da letra é isso que repetem todos os especialistas e agentes públicos sanitários que lidam com o aumento da população de mosquitos, baratas, escorpiões, ratos e outros. 

Além dos frequentadores habituais nas casas - como baratas e roedores -, a falta de higiene associada à abundância de alimento tem contribuído para a visita de “novos moradores”, como os mosquitinhos de fruta e de banheiro. Mas estes também passaram a ser presença comum em quintais, onde fezes de animais “chamam” para o banquete diário. 

Segundo o Instituto Biológico de São Paulo, o mais especializado do País no setor, a explicação para a evolução dos casos e das complicações está associada aos quatro “As”. “Água, abrigo, acesso e alimento formam as condições adequadas para o surgimento das pragas, somada a facilidade em reprodução em maior frequência e velocidade, sobretudo em períodos de temperaturas mais altas, onde a oferta de água e alimento é maior”, aponta estudo enviado pela assessoria de imprensa do órgão. O Instituto Biológico (IB) é ligado à Agência Paulista de Tecnologia Agrícola (Apta). 

Mas se você está considerando que o inverno vai tirar esses “bichinhos” de sua casa, engana-se. A oferta de alimento continua abundante e, no Centro do Estado de São Paulo, é curto o período de frios com maior intensidade. 

É fato, entretanto, que nos períodos de calor a situação piora. Daí a explicação para a maior proliferação de mosquitos e pernilongos nos longos períodos de estiagem. Eles se reproduzem na água, nela põem ovos e por lá larvas e pupas se desenvolvem. 

Nos períodos chuvosos a multiplicação é ainda maior, ainda que o ser humano, novamente, contribua com fartura para o aparecimento de epidemias por manter uma série de locais com acúmulo de água durante o ano todo: caixas d’água, ralos e piscinas não cuidadas. Com as chuvas, a ausência de manutenção em calhas e a não eliminação de pneus, latas e vasos com água limpa gera criadouros “naturais” de mosquitos. 

Segundo a Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde em Bauru as pragas mais comuns na cidade são de roedores, baratas, mosquitos, escorpiões e mosquitos. No último caso, notadamente o mosquito transmissor da dengue é o que tem causado mais preocupação na população (Aedes aegypti), em razão dos efeitos da doença, inclusive com óbitos. 

“Com certeza os fatores determinantes na disseminação e incremento de índices de infestação das pragas são a falta de higiene, por comportamento inadequado da população na manipulação de alimentos e pela cultura do descarte irregular do lixo, doméstico ou não”, confirma o setor. As questões formuladas pelo JC foram coordenadas pelo médico Mário Ramos, integrante do Centro de Controle de Zoonoses. 

Falta de higiene humana é, de outro lado, fator desagregador de qualquer política pública de saúde, explicam os especialistas consultados. Isso porque o poder público, a despeito de suas deficiências no combate e na resolutividade e aplicação de ações preventivas e educacionais, não consegue reverter o quadro em razão da manutenção em escala da origem do problema: a falta de higiene e limpeza por parte das pessoas. 

“A falta de higiene e limpeza proporciona, associada a maus hábitos pelos usuários, mais oferta de alimentos às pragas. Isso associado à falta de organização ambiental nas instalações, como a presença de entulhos, restos de materiais de construção e até mesmo arquitetura inadequada do imóvel – o que favorece oferta de abrigo fácil á fauna sinantrópica – ampliam o efeito das pragas”. 

Tanto a equipe da Divisão de Vigilância quanto do Instituto Biológico define que para o controle da praga é fundamental o conhecimento de sua biologia e hábito e a delimitação de ação estratégica para inibir e minimizar as causas. 

Medidas

Mas quais medidas devem ser adotadas quando a praga passa a incomodar, gerar consequências? A equipe da Divisão Ambiental elenca os cinco passos fundamentais. Mas todos convergem para o binômio educação-higiene (leia abaixo).

“Um bom diagnóstico das infestações, implantação de um bom programa de controle integrado de pragas, adoção de barreiras de acesso, adoção de educação sanitária a todas as pessoas envolvidas no  local e boas praticas de higiene e manipulação de alimentos”, responde.

Sem seguir à risca os cinco passos, a batalha contra moscas e insetos estará perdida. Portanto, pouco importa se a infestação é por mosquinha de fruta, de banheiro, de fezes ou outro elemento.

Apesar de pertencerem à mesma família dos mosquitos palha (transmissores da leishmaniose ou úlcera de bauru) as mosquinhas não são transmissoras de doenças. No entanto, causam grande incômodo pela simples presença ou levam a entomofobia (pavor de insetos). Se você não quer ter essas moscas voando em seu banheiro, mantenha o local sempre muito limpo.

Fonte: jcnet.com.br

mais em notícias

Plantas para jardineiros iniciantes

Se você quer começar a construir um jardim, mas não tem muita experiência e não sabe bem como cuidar das plantas, o ideal é iniciar por espécies mais fáceis. Criamos uma lista com 10 plantas que são resistentes a falta de cuidados ou até mesmo aos excessos de adubo ou rega. Além disso, são espécies fáceis de encontrar para compra. Conheça as opções que preparamos e escolha as suas!

Bálsamo: suculenta que não sofre muito com os descuidos dos jardineiros iniciantes. A dica é manter ela sob sol pleno ou meia sombra, em um vaso de cerâmica bem drenável. 

Comigo-ninguém-pode: essa é uma folhagem própria para ambientes internos, com crescimento lento, mas muito resistente a pragas e doenças. Para manutenção, ela gosta de solo úmido, e áreas sombreadas, porém bem iluminadas. 

Espada-de-são-jorge: pode ser cultivada nas mais diversas situações e tipos de solo. E ainda é considerada uma planta que espanta o “mau-olhado”. Perfeita, hein?

Jiboia: como é muito rústica, é resistente a pragas e doenças. Essa espécie sinaliza quando precisa de rega, murchando suas folhas (mas evite de isso acontecer). Conforme vai crescendo, ela vai precisar de algum suporte para subir, como estacas de fibra de coco. 

Lírio-da-paz: assim como o comigo-ninguém-pode, o lírio-da-paz é indicado para áreas sombreadas ou semi-sombreadas, sempre bem iluminadas. Se as folhas ficarem esverdeadas é sinal de pouca luz. 

Rosa-de-pedra: outra suculenta praticamente imune aos esquecimentos relacionados à rega. Suas folhas mais gordinhas tem uma reserva estratégica de água para os momentos de estiagem. Já o excesso de água, somado a drenagem deficiente no vaso, provoca rapidamente o seu apodrecimento. A dica é cultivar sob sol pleno ou meia sombra, sempre recebendo a luz solar diretamente em alguma parte do dia.

Fonte: Jardim das Ideias

mais em notícias

Aprenda como fazer uma horta de legumes e ervas

Voltou de uma viagem para o interior e ficou mal acostumado com todos os alimentos frescos à disposição? Pois saiba que dá para tentar fazer isso em casa. Com um sistema originário do Serviço de Parques de Lima (SERPAR), no Peru, é possível criar uma horta ocupando apenas um metro quadrado e ainda deixar de consumir vegetais que possuem resíduos de agrotóxicos - caso da maioria dos que são comercializados no Brasil, como a Agência Nacional de Vigilância (Anvisa) mostrou em uma pesquisa, em 2011.

Perfeita para pequenos espaços em seu quintal, a horta é suficiente para prover a quantidade de legumes ingerida diariamente por uma pessoa durante um mês. Para fazê-la, basta dividir um metro quadrado de terra em 16 quadrados de mesmo tamanho (25 centímetros quadrados). Então é só plantar, em cada quadradinho, uma variedade diferente de erva ou legume.

No entanto, alguns cuidados são necessários. As plantas maiores devem ficar nas fileiras de trás e as menores, nas fileiras da frente, assim a luz solar chega para todas. As plantas verticais, como os tomates, devem ser penduradas em uma estrutura de suporte - que deve ser instalada em uma das "linhas" da horta (tubos de ferro, de PVC ou outros itens reutilizados podem compor a estrutura), amarrando-as para que suportem o peso.

A manutenção é tranquila, pois qualquer pessoa consegue alcançar facilmente todo o espaço da plantação sem que plantar, regar e colher se tornem grandes trabalhos. A altura da horta chega, no máximo, à cintura de uma pessoa (o que facilita a vida de deficientes físicos).

A rotação de cultivos é automática. Por exemplo: um cultivo que leva mais tempo, como o do tomate, pode ser plantado entre outros cultivos de colheita rápida e que serão colhidos antes que a planta precise de mais espaço.

Veja abaixo quais alimentos podem ser cultivados:

Plantas pequenas:

Rabanete, cenoura, cebola, espinafre, beterraba, alface e salsa.

Plantas grandes:

Repolho, brócolis, couve-flor, berinjela e pimentas.

Plantas verticais:

Tomate, pepino, vagem, ervilha e feijão.

Fonte: ecycle.com.br

mais em notícias